Viagem ao Fim do Mundo!

Tudo começou com a necessidade de marcar a data das minhas férias, com isso vieram os questionamentos: Pra onde ir?? Qual a melhor época??? Como uma boa brasileira que sou e que vive numa terra quente como Vitória é, resolvi que queria conhecer a neve. Dentre as opções o país escolhido foi à Argentina, pela proximidade, pelos baixos preços e por relatos que já havia ouvido de amigos. Bom, agora vinha a parte difícil, dentre tantos lugares na Argentina, pra onde ir?? Passar alguns dias em Buenos Aires, a cidade mais européia da América, era algo inevitável. Então tinha que descobrir para onde mais eu iria além de Buenos Aires. Depois de muita pesquisa e dúvidas acabei por me definindo em ir ao Ushuaia, a capital da província argentina da Terra do Fogo. Com tudo definido, foi só aguardar ansiosamente a chegada do dia da viagem. Logo que desembarquei no Aeroporto Internacional de Ezeiza, conheci um casal de brasileiros e dividimos um táxi até o centro da cidade.


Argentina

Cheguei ao hostel, que fica a uma quadra da Av. de Mayo e logo que me instalei fui dar uma volta pelas redondezas. Como já era noite fui procurar um lugar para comer. Peguei algumas informações no hostel e saí pela Avenida de Mayo, onde parei na Confiteria London para fazer um lanche. Realmente as “media lunas” lá são ótimas, e o chocolate “caliente” melhor ainda. O dia amanheceu muito frio em Buenos Aires, me agasalhei bem e segui pela Avenida de Mayo em direção a Casa Rosada, depois de uma parada para fotos e visitar todos os lugares que eu queria segui até Puerto Madero, lugar lindo e ótimo para comer.


Casa Rosada

Ponte da Mulher

Fiz o percurso esse dia todo caminhando. Como estava muito próxima a Reserva Ecológica aproveitei e fui até lá, um lugar lindo, cheio de árvores verdinhas, mas fazia muito frio. No final do dia voltei ao hostel, que no terraço tem um Roof Bar, ótimo lugar para conhecer pessoas.


Roof Bar

Foi lá que conheci meus companheiros de passeio do dia seguinte, 3 brasileiras, 1 alemão e 1 americano. O dia seguinte amanheceu mais quente que o dia anterior, ainda bem, e fomos fazer nosso passeio na Recoleta, um lugar lindo, cheio de praças e muito verde. Com certeza é um lugar que, quando eu voltar a Buenos Aires, quero ir novamente. Uma vez na Recoleta, fomos a todos aqueles lugares que não se pode deixar de ir, como o cemitério onde Evita está enterrada, o Centro Cultura Recoleta, ao Museu de Arte Moderna, ao Malba (museu de Arte Latinoamericano) e a Flor de Metal, que é algo inexplicável.


Floralis Genérica - Flor de metal

Centro Cultural Recoleta

O lugar é tão lindo e tão agradável, cheio de coisas pra fazer que acabamos passando o dia todo ali. Terceiro dia... 9 de julho é feriado na Argentina, como muitas coisas estariam fechadas e aproveitando que tudo o que me separava do Uruguai era o Rio da Prata, peguei um barco e fui fazer um passeio em Colônia de Sacramento.


Colonia De Sacramento - Uruguai

Depois de 3horas de travessia no Rio da Prata desembarquei no Uruguai. Peguei informações em um centro de informações turísticas e com o auxílio de um mapa saí andando pelas ruas da cidade até chegar à parte histórica.


Portal de Entrada - Cidade Histórica

O lugar é encantador. As ruas da parte histórica da cidade são todas de pedra, várias casinhas bem antigas e muito bem conservadas. Continuei andando pelas ruas, deixando me levar pela paisagem, pelo ventinho que batia vindo do rio e me encantado com a paisagem.


Museu dos Azulejos - Mapa da cidade

Casa Histórica

Quando a fome bateu parei para almoçar em um restaurante muito charmoso, o El Drugstore, comida muito boa e um lugar muito interessante. Por dentro todo colorido e por fora, além das mesinhas na calçada tinham dois carros antigos estacionados, um que virou um vaso de plantas e o outro um lugar para almoço e jantar, interessantíssimo.



Restaurante El Drugstore

Restaurante El Drugstore

Saí do restaurante e continuei andando pelas ruazinhas de pedras, cheia de carros antigos e casas antigas, até a hora de voltar para Buenos Aires. Fiquei encantada com a cidade, um passeio que recomendo. Novo dia, um novo destino. Enfim chegou o dia da viagem a Ushuaia, a “Ciudad del Fin del Mundo”. Ainda pela manhã tomei meu caminho rumo ao aeroporto. Ushuaia fica a 3 horas e meia de vôo de Buenos Aires. Com muita sorte cheguei a Ushuaia em um belo e frio dia de sol. O que proporcionou uma bela vista do avião sobrevoando a Cordilheira dos Andes.



Cordilheira dos Andes

No inverno os dias são bem curtos em Ushuaia, o dia amanhece por volta das 9horas e começa a anoitecer por volta das 18horas. Como cheguei de tarde e não tinha muito tempo de dia claro, fui logo dar uma volta rápida pela cidade para me localizar. Acabei descobrindo algo inusitado, que o sol não passa por cima da cidade, ele passa sempre inclinado no horizonte, então era possível olhar pra cima e não ver o sol. Como tinha nevada muito na cidade nos dias anteriores à minha chegada, a cidade estava linda, toda branquinha.

Ushuaia

Como os dias são curtos no “Fin del Mundo”, então logo já era noite, o que fez a temperatura cair muito e eu voltar para o hotel. Chegou o segundo dia na cidade e fui visitar o museu do Presídio, que conta toda a história da colonização da cidade e como os primeiros habitantes viviam, acabei descobrindo que por incrível que pareça os nativos da região viviam parcialmente desnudos, e não morriam de frio.....

Museu do Presídio

Museu do Presídio - celas

Já os prisioneiros que foram levados pra lá, eu não sei como não morriam de frio, porque o lugar onde eles ficavam é frio pra caramba. Lá acabei encontrando alguns brasileiros e fomos almoçar juntos. Nesse mesmo dia fiz um passeio de barco pela baia de Ushuaia e o Canal Beagle. O passeio pelo Canal de Beagle foi ótimo. Fui num dia que não ventava muito, o que fez o canal parecer um grande lago. De um lado do canal está a Argentina e do outro o Chile, com suas ilhas espalhadas para todos os lados, fazendo a paisagem ser mais linda ainda.

Cana de Beagle

No canal fomos até a colônia dos Comoranes, que são uma espécie de pingüim que voa, ou uma mistura de pato com pingüim, qualquer coisa do tipo, não sei bem ao certo. Fomos também à “Islã de los Lobos”, onde os lobos marinhos ficam repousando, tomando sol... linda a paisagem, lindo o passeio! Pena que não deu pra ver os pingüins, já que no inverno eles vão para águas mais quentes.

Comoranes

Isla de los lobos

Voltamos já no final do dia, escurecendo. Como a temperatura tinha caído, aproveitei para tomar um chocolate quente, o que na verdade acabei fazendo todos os finais de dia que estive em Ushuaia. Lá tem um chocolate quente maravilhoso!!!! Mais um dia em Ushuaia, mais um dia de passeios. O terceiro dia fui com um grupo de 5 brasileiros e 4 ingleses fazer um passeio no “Centro Invernal Tierra Mayor”. Chegamos lá e o dia ainda estava amanhecendo e com neve caindo do céu, foi algo incrível, lindo, surpreendente.

Nevando

O passeio foi uma caminhada com raquetes de neve, na ida, com uma parada em um abrigo para tomar um chocolate quente e comer um bolinho e a volta foi em trenós puxados por cachorros. O passeio durou 5horas, foram 5horas de neve caindo, passando por paisagens surpreendentes, caminhamos por um rio congelado, ao lado de outro com gelo bem fininho, passamos ao lado de uma cachoeira congelada e por um bosque todo branquinho, imagens que me encantaram.

Centro Invernal Tierra Mayor

Centro Invernal Tierra Mayor

Centro Invernal Tierra Mayor

Centro Invernal Tierra Mayor

Depois que passamos pelo bosque subimos até o alto da montanha, onde paramos e descansamos um pouco, foi a hora de brincar com a neve, com direito até a boneco de neve. A volta foi em trenó puxado por cachorros. Almocei lá mesmo, um cordeiro patagônico de dar água na boca!!!

Centro Invernal Tierra Mayor

Passeio de trenó

Quarto dia em Ushuaia, mais um dia de passeios... Esse foi o dia de fazer o famoso passeio no “Trem del Fin del Mundo” e pelo “Parque Nacional Tierra del Fuego”. Nesse dia fiz o passeio com 3 brasileiros e 2 espanhóis. O passeio de trem foi legal, e é rapidinho, nada de super impressionando, a não ser pela paisagem é claro, que é linda!

Trem do Fim do Mundo

Parque Nacional da Terra do Fogo

Mas foi válido fazer o passeio de trem. Lá pelo meio do caminho ele parou e nós descemos, para mais uma vez ver uma paisagem linda e deu pra ter uma pequena noção de como os índios daquela região viviam.

Parque Nacional da Terra do Fogo

Quando chegamos ao final da estação do trem seguimos o passeio pelo Parque Nacional da Terra do Fogo. Cada lugar que passamos, cada paisagem, uma mais linda que a outra, além das histórias impressionantes da região, como a história do lago que metade pertence a Argentina e metade ao Chile, sendo que em cada país ele tem um nome diferente (risos).

Parque Nacional da Terra do Fogo

Fomos seguindo nosso passeio por todo o Parque até chegar a baia de Lapataia. Pelo caminho era possível ver rios congelados, algumas árvores verdes e ir entendendo um pouco mais da geografia, fauna e flora do lugar. Fizemos uma parada para ver uma castoreira, a paisagem seria mais impressionante se não fosse trágica, já que os castores são considerados pragas em Ushuaia. E chegamos ao fim da Rota PanAmericada, uma rodovia que cruza toda a América do Alaska até a baia de Lapataia.

Parque Nacional da Terra do Fogo

Castoreira

Parque Nacional da Terra do Fogo

Toda a paisagem no parque é linda. Muito difícil dizer o que é mais bonito, e ao fundo sempre é possível ver a Cordilheira dos Andes de um lado e do outro as ilhas do Chile. Mais um dia terminou, o que significava que o ultimo dia em Ushuaia infelizmente estava chegando. Aproveitei o ultimo dia para fazer tudo o que faltava, como ir ao Glaciar Martial, patinar no gelo e fazer um belo tour pela cidade. Comecei o dia no Glaciar Martial, aproveitando que lá os valores eram baixos eu fiz uma aulinha de esqui, o que foi divertido, mesmo tendo ficado só na parte pra iniciantes. Aproveitei que o dia estava lindo e não ventava muito e subi de “Aerosilla” até o topo da montanha para tomar um chocolate quente e apreciar a vista, e que vista da cidade.

Glaciar MArtial - vista da cidade

Depois peguei um táxi e fui até a “Laguna del Diablo”, uma lago congelado, para patinar no gelo. Descobri que é mais fácil esquiar do que patinar do gelo (risos). Mas, depois de alguns tombos e algumas voltas pela “Laguna” eu já estava praticamente craque.

Laguna del Diablo

Como o dia era pequeno e ainda queria passear pela cidade, depois de um tempo devolvi meus patins e peguei um táxi em direção a cidade. Lá fui almoçar, passear pela cidade, apreciar a vista, tirar algumas fotos, que como uma boa turista não poderiam faltar, e é claro, tomar mais um chocolate quente.

Ushuaia

Ushuaia

Ushuaia

Infelizmente chegou o dia de ir embora e voltar a Buenos Aires. Ir a Ushuaia, sem dúvida foi uma das melhores escolhas que eu fiz pra essas férias, as pessoas são super simpáticas, o lugar é lindo, apaixonante, cheio de surpresas e a paisagens é impressionantes, definitivamente um lugar para voltar em um estação diferente do ano, e um lugar que todo mundo deveria visitar. Não pude aproveitar muito esse dia nem em Buenos Aires nem em Ushuaia porque meu vôo foi alterado e eu só soube quando estava indo para o Aeroporto, então ao invés de chegar em Buenos Aires de dia, acabei chegando só de noite. Quando saí de Buenos Aires estava bastante frio, mas pra minha surpresa voltei para uma Buenos Aires com temperatura média de 25° durante o dia e previsão de mais dias ensolarados, o que tornaria meus dias na cidade mais agradáveis, se não fossem pelas constantes manifestações que estavam ocorrendo por todo o país, principalmente na “Capital Federal”. No dia seguinte acordei, e fui com um grupo com pessoas de diferentes nacionalidades, que conheci no hostel, passear pelo Caminito, um lugar cheio de cores e muitos artistas pela rua.

Caminito

Caminito
Saí do Caminito já com fome e, aproveitando a indicação de um amigo, fomos almoçar em “San Telmo”, num restaurante chamado Desnível. Realmente a indicação foi ótima. Logo de cara o lugar me pareceu meio suspeito, o tipo de lugar que aqui no Brasil eu não comeria, mas, já que algumas pessoas tinham falado bem, entramos pra provar a tal “parrilla” argentina. Ainda bem que resolvemos entrar, porque a comida é deliciosa e super barata. Saindo dali pegamos um ônibus em direção ao nosso próximo destino, o bairro de Palermo. Definitivamente um dos lugares mais bonitos de Buenos Aires, cheio de verde e cores das plantas ao longo de seus muitos bosques. Pena que com as manifestações na cidade tudo começou a fechar um pouco antes das 17h, assim acabamos voltando cedo para o hostel.

Bosque em Palermo

Bosque em Palermo

Jardim Japonês

Mais um dia chegou, e era o último dia na cidade, já que meu vôo de volta pra o Brasil era no dia seguinte e tinha que sair ainda pela manhã do hostel. Nesse dia fui passear com uma brasileira que conheci lá. Como Buenos Aires tem a primeira linha de metrô da América Latina e o metrô é todo em madeira, uma atração a parte, pegamos o metrô e fomos até o Congresso Nacional. A Praça do Congresso estava cheia de manifestantes acampados, mas deu pra fazer um passeio tranqüilo.

1° Metrô da América Latina

Congresso Nacional
O condor

Saindo da praça do Congresso seguimos até a esquina Carlos Cardel, almoçamos pelas redondezas mesmo, com direito a sobremesa de sorvete Freddo, realmente o sorvete é delicioso.

Esquina Carlos Gardel

Dali pegamos um metrô até a “Calle Florida” e fomos seguindo por ela até chegar a “Plaza de Mayo”. Pela Florida foi possível ver diversos artistas se apresentando: ou dançando tango, ou cantando algum tipo de música e até mesmo expondo suas obras. Como o dia ainda estava bonito e a cidade mais calma, fizemos mais um passeio pelos monumentos ao redor da “Plaza de Mayo”.
Plaza de Mayo

No final do dia voltamos pro hostel e fui mais uma vez pro “Roof Bar” reencontrar as diferentes pessoas que estavam lá e me despedir de todos. Saí do Brasil no dia 06 de julho, já era dia 18 de julho, o tempo passou rápido e eu nem tinha percebido. Já era hora de voltar pra casa. No aeroporto peguei meu vôo de volta para o Brasil, cheia de boas recordações, lembranças dos lugares visitados e dos novos amigos, já com saudades do que vivi naqueles dias. E ainda trouxe uma certeza na bagagem, de um dia voltar à Argentina para conhecer as outras belezas da Patagônia com uma parada certa na Cidade do Fim do Mundo.

Voltar